O Congresso precisa votar e derrubar o veto de Bolsonaro! Só assim passará a valer o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual, que prevê a distribuição gratuita de absorventes para milhões de estudantes e mulheres em situação de vulnerabilidade econômica no país.

PRESSIONE para que o Congresso derrube o veto de Bolsonaro ao Projeto de Lei contra a Pobreza Menstrual!

Mais de 5,6 milhões de pessoas tiveram seu direito à saúde negado quando foram vetadas partes importantes do Projeto de Lei 4968/2019, que garantiria a distribuição gratuita de absorventes para estudantes e mulheres em situação de vulnerabilidade socioeconômica em todo o país. Agora, está nas mãos do Congresso reverter esse quadro. Não iremos descansar até que todos os senadores e deputados venham a público e se comprometam com a derrubada do veto, inclusive o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco!

O principal argumento para os vetos é o orçamento. No entanto, o texto já informa que a fonte de custeio é o próprio Sistema Único de Saúde (SUS) e o Fundo Penitenciário Nacional. O custo para a distribuição gratuita de absorventes (R$ 84 milhões) é menor do que o governo gasta por ano com refrigerantes, leite condensado e chocolates (R$ 88 milhões). Por isso, falar em custo é um argumento furado! É hora de levantar a nossa voz e pedir que senadores e deputados votem o quanto antes a derrubada desta decisão!

Vamos mostrar que não iremos descansar enquanto não garantirmos dignidade para todas as pessoas que menstruam no Brasil! Os parlamentares têm o poder nas mãos de derrubar os vetos do presidente que interferem diretamente na distribuição gratuita de absorventes e na definição de quais pessoas serão beneficiadas por essa lei. Envie AGORA por e-mail o seu recado e faça a sua pressão!









"O interesse público envolvido na aprovação da medida [do PL4.968/2019] é manifesto. É inaceitável que o Brasil não possua uma medida pública sequer para combater a situação de pobreza menstrual que afasta meninas, mulheres e outras pessoas que menstruam do ambiente escolar e de atividades laborais."

Mais de 150 organizações já assinaram o ofício contra o veto do presidente Bolsonaro ao PL 4968/2019, que prevê a oferta gratuita de absorventes higiênicos para estudantes, mulheres e pessoas que menstruam em situação de vulnerabilidade econômica.

Caso você faça parte de um movimento e também queira assinar esse ofício, é só clicar aqui.






















de 15 a 17 anos no Brasil não têm acesso a produtos higiênicos adequados durante o período menstrual (Sempre Livre). E 1 em cada 4 meninas brasileiras não possuem acesso ao absorvente (Exame).







vivem em residências sem banheiro, negadas a um dos direitos mais básicos para sobrevivência (Livre Para Menstruar)







perdem aula quando estão menstruadas (ONU)






sem banheiros em condições de uso são negras. Esse é um problema grave e estrutural que também denuncia a desigualdade racial (Livre Para Menstruar)















O NOSSAS trabalhou ao longo de 2021 no tema da pobreza menstrual. No Brasil, muitas pessoas que menstruam têm que lidar com esse problema, ou seja: não têm acesso a produtos menstruais, a informação sobre menstruação e a infraestrutura adequada para o manejo da higiene menstrual. Por isso, nós, junto de diversas outras organizações, lutamos para que haja a democratização do acesso aos absorventes e que cada pessoa que menstrua seja livre para menstruar. Essas são as organizações que assinam o ofício e apoiam essa causa: